noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

Partir para cima e driblar: seleção tenta fazer as pazes com a torcida

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 425

Pin Partir para cima e driblar: seleção tenta fazer as pazes com a torcida. Goal
Partir para cima e driblar: seleção tenta fazer as pazes com a torcida. Goal

Partir para cima e driblar: seleção tenta fazer as pazes com a torcida

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 425

Seleção foi vaiada na estreia da Copa América e agora busca maneiras de se reaproximar do torcedor. Time volta à exigente São Paulo na terceira rodada

A seleção brasileira venceu a Bolívia por 3 a 0 na estreia da Copa América, mas deixou o Morumbi na última sexta-feira com um problema para resolver: a torcida. As vaias no intervalo e a frieza das arquibancadas se tornaram um obstáculo para a sequência do torneio. E como superar isso? Atacando, partindo para cima.

Foi isso que os jogadores de Tite indicaram depois do triunfo. Se a seleção foi para o vestiário no intervalo sob vaias com o placar de 0 a 0 e, no apito final, ouviu aplausos, ainda que breves, após os três gols, foram as bolas na rede que melhoraram esse humor.

“No segundo tempo premiamos eles com um bom resultado, com agressividade mais alta da nossa parte. A torcida ficou feliz com o resultado do segundo tempo”, analisou Thiago Silva, que também apontou o alto preço dos ingressos como um fator potencializador de crítica.

Autor do terceiro gol num bonito chute após encarar a marcação em direção à entrada da área, Everton Cebolinha conseguiu arrancar um pouco de satisfação dos torcedores. E promete manter essa postura para ajudar na reconciliação.

“É uma característica minha [ir para cima], sempre que entro tento fazer o que tenho de melhor. Hoje [sexta] pude ir para cima, driblar e finalizar bem. Isso faz com que a confiança aumente. Talvez por ser o primeiro jogo a gente foi um pouco mais conservador, mas no segundo acho que estaremos mais soltos”, projetou o gremista.

Jogar em São Paulo desperta tensão no Brasil. A relação com os paulistas é marcada por um distanciamento maior. Em jogo decisivo das eliminatórias para uma Copa do Mundo, por exemplo, a seleção evita a todo custo o estado.

No entanto, a programação da Copa América obriga os comandados de Tite a fazerem mais uma parada em São Paulo. Na terceira rodada, o duelo contra o Peru, no dia 22, será na Arena Corinthians.

Veterano de seleção e acostumado às rusgas com os paulistas, Daniel Alves não parece mostrar muita esperança em uma mudança significativa nesse relacionamento até a terceira rodada. E uma declaração dele ao fim do jogo deixa isso explícito.

“Aqui as pessoas são muito fanáticas pelos clubes, a seleção tem jogadores de clubes diferentes. Hoje gritaram Rogério [Ceni], por exemplo. A gente não sente clima de seleção brasileira aqui, a gente sente mais clima de clube e isso não ajuda muito”, opinou, ciente de que esse reencontro já tem data e horário para acontecer.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 31K RANK 1
LEITURAS 101M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook