noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

Elkeson estreia na seleção chinesa com dois gols diante das Maldivas

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 626

Pin Elkeson estreia na seleção chinesa com dois gols. Goal
Elkeson estreia na seleção chinesa com dois gols. Goal

Elkeson estreia na seleção chinesa com dois gols diante das Maldivas

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 626

O atacante naturalizado chinês Elkeson estreou em sua nova seleção com dois gols e grande atuação contra as Maldivas.

Ai Kesen, ex-Botafogo, estreou na seleção do seu país e marcou dois gols na goleada sobre as Maldivas, por 5 a 0. Estranhou? Pois é, se trata do jogador Elkeson, que mudou de nome, de nacionalidade e resolveu embarcar em uma nova vida na China. O atacante do Guanghzou Evergrande é o maior artilheiro estrangeiro da história do país, onde chegou em 2013. Ai Kesen renunciou à nacionalidade brasileira em agosto e já foi convocado pelo técnico Marcelo Lippi para defender a seleção chinesa.

Isso se trata de um ambicioso projeto da Federação Chinesa de Futebol que visa a disputa da Copa do Mundo de 2022, arquitetado por Lippi, que consiste na naturalização de jogadores estrangeiros que atualmente jogam na China, a fim de criar uma seleção mais forte e competitiva para a disputa das eliminatórias asiáticas, já que a seleção do país não disputa uma Copa desde 2002. Com a vitória, a seleção chinesa assumiu a primeira posição do Grupo A da segunda fase do qualificatório com um jogo a menos. O grupo ainda conta com Síria, Filipinas, Maldivas e Guam.

E Ai Kesen não é o único estrangeiro que deve se nacionalizar e fazer parte do projeto. Nico Yennaris, meiocampista que chegou até a atuar pelo Arsenal, nasceu na Inglaterra e também foi convocado por Lippi para a seleção da China. Ele não foi utilizado na partida, mas já atuou em dois amistosos.

Outros brasileiros também devem embarcar na aventura chinesa. Ricardo Goulart, que retornou a China depois de passagem conturbada pelo Palmeiras, deve ser um deles. O meia-atacante, também atleta do Guangzhou, deve ser um reforço de peso para a equipe de Lippi, mas não com esse nome. Seguindo normas do país, os atletas que escolherem fazer parte desse processo deverão usar nomes adaptados ao mandarim, idioma do país. Assim, Elkeson se transformou em Ai Kesen e Yennaris, em Li Kei.

Os tigres de Guangzhou tem mais três jogadores sob contrato que devem fazer parte do processo de naturalização. O atacante Alan, que teve boa passagem no Fluminense e até chegou a fazer parte da seleção da Liga dos Campeões Asiáticas de 2017 ainda atuando no Guangzhou, hoje emprestado ao Tianjin Quanjian. Fernandinho, que não teve passagem muito marcante pelo Flamengo, se destacando no Chongqing Lifan, da primeira divisão chinesa, antes de ser contratado pelos tigres e repassado ao Hebei Fortune. O último atleta hoje brasileiro que deve se naturalizar é o folclórico Aloísio, o boi bandido, que se destacou no São Paulo pela sua raça e faro de gol, e rodou pela China, se destacando em todos os clubes por onde passou, atualmente no Guangdong Southern Tigers.

Além de fazerem parte do ambicioso projeto chinês, esses jogadores também são importante para os clubes, já que são com as novas regulações da Federação Chinesa de Futebol, agora as equipes só podem ter quatro estrangeiros em seu elenco, e só três podem ser relacionados por partida. Então, é provável que, até a Copa do Mundo de 2022, a seleção chinesa esteja muito mais miscigenada do que ela é hoje, visto que cada vez mais teremos atletas embarcando nessa chance de construir uma nova história no país.

“Posso dizer que estava bem ansioso para esse jogo. Mudei minha vida, mudei de nacionalidade, mudei de nome, fui convocado para a seleção, já fiz minha estreia e ainda tive a felicidade de fazer dois gols. Foi uma sensação bem diferente quando marquei o primeiro gol. No fim do jogo, o contato com o torcedor à beira do campo foi bem especial. Faremos de tudo para recolocar a seleção da China novamente numa Copa do Mundo. Mas o caminho ainda é longo”, afirmou Ai Kesen após a partida, sobre a sua experiência na seleção chinesa.

E o caminho é realmente longo. Ao final da segunda fase, dividida em oito grupos, passam para a terceira etapa os primeiros colocados de cada grupo, assim como os quatro melhores segundos colocados. Aí, os 12 classificados serão separados em dois grupos, e os dois melhores de cada um deles estará qualificado para a Copa. Os dois terceiros colocados ainda tem a chance de disputar uma vaga na repescagem.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 33K RANK 1
LEITURAS 111M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook