noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo App Huawei

Flamengo sente falta de um novo gerente de futebol

BeSoccer por BeSoccer @besoccerPT - 0 145

Pin Flamengo sente falta de um novo gerente de futebol. EFE/Bruna Prado
Flamengo sente falta de um novo gerente de futebol. EFE/Bruna Prado

Flamengo sente falta de um novo gerente de futebol

BeSoccer por BeSoccer @besoccerPT - 0 145

Diretoria identifica necessidade de alguém para dividir as funções com Marcos Braz, pois atuação de diretor é mais financeira.

A saída de Paulo Pelaipe, hoje ex-gerente de futebol do Flamengo, e a de Jorge Jesus, que levou consigo mais sete profissionais (todos de sua comissão técnica permanente) causou um grande estrago no Flamengo. No departamento de futebol, Marcos Braz hoje é o único que faz o elo com os jogadores. Em autocrítica, uma ala da diretoria entende que falta alguém para dividir as funções da pasta com o vice-presidente.

Bruno Spindel, que é o diretor remunerado do futebol rubro-negro, fica mais voltado para resolver os contratos e a parte financeira, enquanto Gabriel Skinner, supervisor de futebol, trabalha com a logística e Fabinho é quem comanda a área de captação. 

A ausência de alguém para dividir as funções diretamente ligadas ao elenco com Marcos Braz é sentida também pelos profissionais que vivem o dia a dia do futebol. Ao chegar no Rubro-Negro, Domènec Torrent, por exemplo, identificou a necessidade de um "secretário de futebol", uma espécie de gerente. 

Rogério Ceni buscou apoio em Juan e tem ficado mais próximo do ex-zagueiro, com quem já disputou até uma Copa do Mundo pela seleção brasileira, muito embora ele ainda não tenha uma função bem definida dentro dentro do Flamengo. Na última partida, contra o Ceará, ele esteve no banco de reservas ao lado de Ceni, uma vez que o auxiliar Charles Hembert estava cumprindo suspensão. 

No Ninho do Urubu, é comum ver Rogério Ceni ao lado de Juan, que tem sido importante para o treinador no relacionamento com os jogadores mais experientes do grupo. Ainda assim, está longe da figura de um gerente/coordenador, exercida anteriormente por Paulo Pelaipe

A demissão de Pelaipe, inclusive, até hoje não foi bem digerida por Marcos Braz. O ex-gerente teve a sua renovação encaminhada pelo departamento de futebol, mas brecada pelo presidente Rodolfo Landim, que optou pela descontinuidade do trabalho. Desde então, o Flamengo não tem uma figura no dia a dia capaz de dividir o gerenciamento do dia a dia do elenco com a vice-presidência.

Funcionários apreensivos

No Ninho do Urubu, o clima entre os funcionários é de apreensão, principalmente aos mais ligados a Marcos Braz, vice-presidente de futebol. Há quem acredite que ele não aguentará por muito tempo a pressão e os conflitos políticos que o fazem por vezes precisar "engolir um sapo".

Ceni fica no Flamengo - por enquanto

Na última segunda-feira (11), as reuniões tiveram como tema principal o trabalho de Rogério Ceni. Há um consenso de que o treinador não é o único culpado, e a dificuldade para encontrar um novo nome na reta final da temporada jogou a favor do atual técnico

A diretoria não pretende colocar um técnico "tampão" e vai seguir com o atual comandante, pelo menos até o jogo contra o Goiás. 

Outro fator importante foi o financeiro. Vale ressaltar que, por conta da pandemia, o calendário sofreu alterações e o clube só receberá os valores referentes às cotas de televisão do Brasileirão em março, após o término da competição. Logo, o ano de 12 meses terá 14 com a temporada estendida.

Em caso de saída de Ceni, o Flamengo teria que pagar três treinadores, já que, durante todo o ano de 2021, terá de desembolsar um milhão de reais por mês pela rescisão de Dome.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 61K RANK 1
LEITURAS 164M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook