noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

Grêmio faz sua mágica com Diego Souza: mais artilheiro do que nunca como centroavante

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 261

Pin Grêmio faz sua mágica com Diego Souza. AFP
Grêmio faz sua mágica com Diego Souza. AFP

Grêmio faz sua mágica com Diego Souza: mais artilheiro do que nunca como centroavante

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 261

O jogador de 35 anos retornou desacreditado ao Tricolor, mas recuperou o bom momento e os gols

A carreira de Diego Souza sofreu um “antes-e-depois” após 25 de janeiro de 2017. Naquela noite, uma seleção brasileira composta apenas por jogadores que atuavam no Brasil entrou em campo contra a Colômbia em um amistoso realizado em solidariedade às vítimas do desastre aéreo que vitimou jogadores e comissão técnica da Chapecoense, além de dirigentes e jornalistas. Naquele duelo, realizado no Estádio Nilton Santos, Diego usou a camisa 9 do Brasil e, segundo confirmou em entrevista ao UOL, a partir daquele momento passou a ser um centroavante de corpo e alma.

Não foi do nada que o jogador, que começou como um habilidoso meio-campista antes de virar meia, decidiu avançar ainda mais para se tornar a referência de profundidade em suas equipes. Diego ficou surpreso ao saber que o técnico da seleção brasileira havia citado seu nome como um dos candidatos a ocupar esta função após uma lesão sofrida por Gabriel Jesus: “Pensei comigo e decidi que ia me preparar. Se o Tite falou aquilo, iria me convocar. Aí eu passei a treinar no Sport para evoluir em coisas que o atacante precisa”, afirmou o atleta em entrevista ao UOL.

O bom momento fez com que o São Paulo apostasse em seu nome para ser o goleador do time em 2018, e Diego abandonou a sua tão querida Recife na esperança de que dentro do Morumbi encontraria os meios – e os gols – para conseguir a tão sonhada vaga no elenco da seleção para a Copa do Mundo da Rússia. Diego não é pernambucano, nasceu no Rio de Janeiro, mas se identificou muito com o Sport e sua torcida. Com o Tricolor Paulista, contudo, não conseguiu dar prosseguimento à boa fase. Não convenceu Tite e, em 2019, foi emprestado ao Botafogo, onde também não esteve à altura das expectativas também como centroavante.

Foi por isso que muitos olharam com demasiada desconfiança a sua chegada ao Grêmio para 2020. Diego Souza já não era aquele meia que, justamente no Tricolor Gaúcho, havia sido um dos melhores de sua posição no Brasil: vinha de temporadas abaixo do esperado e convivendo com as críticas sobre a sua forma física.

Mas se um gigante ainda estivesse disposto a apostar nele, os azuis do Rio Grande do Sul eram provavelmente o melhor destino. É muito fácil dizer isso agora, em retrospectiva? Sim. Entretanto, vale destacar a histórica fama gremista em recuperar alguns nomes em baixa no futebol brasileiro. Vários são os exemplos, sendo um dos últimos o meio-campista Cícero, que em 2017 saiu de descartável no São Paulo para ser um dos heróis no título de Libertadores com o Grêmio.

E eis que Diego Souza é um dos maiores destaques do time comandado por Renato Portaluppi neste turbulento 2020. Contra o Novo Hamburgo, na semifinal do segundo turno do Campeonato Gaúcho, o camisa 29 marcou dois gols na vitória por 4 a 3 que garantiu o Tricolor na decisão contra o Internacional – de um também surpreendente Thiago Galhardo. Em 11 partidas oficiais nesta temporada, Diego chegou à marca de oito tentos em seu nome. É o artilheiro gremista.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 55K RANK 1
LEITURAS 152M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook