noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

Messi é amado em Barcelona, mas não na Argentina?

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 1,031

Pin A eterna acusação da falta de entrega de Messi à Seleção. AFP
A eterna acusação da falta de entrega de Messi à Seleção. AFP

Messi é amado em Barcelona, mas não na Argentina?

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 1,031

As falas de que o argentino não tem a mesma entrega com a Seleção e com o Barcelona o perseguiram por toda a carreira.

Ele não "sente a camisa". Ele nunca canta o hino. Quando as coisas ficam difíceis, ele desaparece. No fundo, ele prefere estar de volta ao Barcelona do que a lutar pelo seu país.

Todas as acusações acima foram feitas a Lionel Messi quando o melhor jogador de futebol do planeta vai defender sua seleção.

Apesar de marcar mais gols do que qualquer outro jogador com a camisa alviceleste e de trabalhar incansavelmente, ainda que sem sucesso, para dar glória, a falta de troféus com a Argentina ainda é jogada contra o feiticeiro do Barça, como contra-argumento para aqueles que afirmam que ele é o maior de todos os tempos.

Tais opiniões, além disso, são consideradas comuns entre os seus próprios compatriotas. Messi, dizem, nunca será adorado da mesma forma que um um ídolo como Diego Maradona, um verdadeiro patriota que se entregou  e, o mais importante, que obteve sucesso na Copa do Mundo. Ele é um ídolo catalão, e não um herói no seu próprio país.

O craque nunca alcançará o status de lenda na Argentina, de acordo com a sabedoria dos taxistas de Buenos Aires e das moscas do botequim, porque, tendo deixado o país tão jovem, não entende nem mesmo o que significa ser argentino. É um conto convincente: o único problema é que é completamente falso.

Um dos mitos que o acompanha é que Messi chegou ao ponto de flertar com uma vaga na seleção espanhola antes de se atirar para a Alviceleste, uma perspectiva que o próprio jogador nega.

"Nunca duvidei por um segundo", disse ele à TyC Sports sobre a decisão de representar o seu país natal.

"Nós fizemos tudo. Costumávamos enviar vídeos e coisas minhas o tempo todo para que eu fosse reconhecido [na Argentina] e tivesse a chance de ser visto, para ver se eu poderia ser chamado ou não".

Houve um tempo, no entanto, em que as lealdades de Leo ficaram sob o microscópio.

Enquanto seguia-se uma série de decepcionantes exibições, com a Argentina Maradona falou aos repórteres: "Quero falar muito a sério com Leo porque ele tem de decolar de uma vez por todas. Temos o melhor jogador do mundo e ele merece todo o nosso apoio".

"No Barcelona, ele agarra a bola e dribla para além de quatro jogadores; aqui, é mais difícil para ele".

Messi terminou aquele doloroso ano ao sair de um amistoso em dezembro contra a Catalunha, que os seus companheiros perderam por 4 a 2; naquela ocasião, não faltaram vozes que sugeriam que ele teria ficado mais confortável jogando para a sua 'verdadeira' seleção.

O que realmente estava faltando, no entanto, era o homem certo no banco

Depois de sofrer com as atuações limitadas de Maradona e Sergio Batista no comando da seleção, Messi renasceu sob o comando de Alejandro Sabella. Usando a braçadeira de capitão, teve uma série de atuações inspiradoras , até mesmo dando alguns minutos de glória para Argentina contra a poderosa Alemanha, na Copa de 2014.

Apenas os críticos mais persistentes continuaram a questionar a sua lealdade após aquela final de arrebentar as entranhas

Quando se seguiram mais decepções na Copa América, ele permaneceu acima das críticas, mesmo depois de perder um pênalti em 2016 e sufocar as lágrimas após a partida ao anunciar sua aposentadoria.

Se restou alguma dúvida sobre a posição de Messi perante o público argentino, ela foi dissipada após essa decisão. O jogador recebeu constantes apelos para voltar à seleção, até mesmo do presidente Mauricio Macri, que lhe telefonou em uma tentativa de fazê-lo mudar de idéia.

"Concordamos em conversar novamente, espero que ele não nos abandone porque é um presente de Deus ter o melhor jogador do mundo", disse o chefe de Estado à DPA. Quando ele finalmente reverteu a sua decisão, foi saudado com celebrações generalizadas.

Talvez seja verdade que Messi nunca será venerado em sua terra natal da mesma forma que seu ex-técnico, Maradona.

A paixão, a fúria e a natureza franca de Maradona encontram  imediatamente os fãs; Leo, por outro lado, parece aposentado, exigente e sem graça, tornando-o uma figura mais fácil de admirar do que adorar.

Mas isso pode estar mudando

O camisa 10 provavelmente atingiu o auge da popularidade em casa na Copa América de 2019, graças a sua isca de árbitros, CONMEBOL e o arquirrival Brasil, conquistando dezenas de novos torcedores com suas afirmações de Maradona sobre uma trama nefasta contra a Argentina - sem falar no confronto com o chileno Gary Medel, que está em seu bolso, e até mesmo alguns vislumbres de estar cantando o hino no alto de seus pulmões.

Se ele conseguir manter a fúria e, melhor ainda, conquistar um ou dois títulos nos próximos anos, Messi pode acabar destronando Diego Maradona no panteão argentino.

Mas não há dúvida de que, depois dessas dúvidas iniciais, ele é unanimemente considerado como um dos grandes esportistas do país. E com razão.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 48K RANK 1
LEITURAS 138M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook