noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

O maior inimigo do Santos: ele mesmo

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 423

Pin O maior inimigo do Santos: ele mesmo. GOAL
O maior inimigo do Santos: ele mesmo. GOAL

O maior inimigo do Santos: ele mesmo

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 423

Peixe perde mais uma e vê Flamengo e Palmeiras se isolarem na ponta da tabela.

Depois da derrota por 3 a 0 do Santos para o Grêmio na Vila Belmiro, é hora de falar sobre o lado psicológico dos comandados do técnico Jorge Sampaoli. O Santos precisa parar de perder para si mesmo. Reparem que o roteiro dos últimos fracassos do Peixe no Brasileirão tem sido parecido: o time joga bem no primeiro tempo, cria chances e não converte. Sofre o gol no segundo tempo (ou no final do primeiro tempo), “sente” o gol sofrido e não consegue reagir mais. Pior: se desequilibra e leva mais gols.

Isso sem contar que, como bem citou o grande comentarista Raphael Prates, o Santos tem tido uma dificuldade imensa de converter em gols as oportunidades criadas. No duelo contra o Grêmio, por exemplo, Pituca e Soteldo pararam em boas intervenções do goleiro Paulo Victor. No mesmo jogo, o Peixe chutou 18 vezes, mas apenas cinco em direção ao gol. O Grêmio arrematou 12 vezes, seis na direção do gol e vazou o goleiro Everson em três oportunidades (50% de aproveitamento).

Os números ofensivos ajudam a explicar a sequência de fracassos do Santos no Brasileirão: nos últimos sete jogos, foram sete gols marcados e 13 gols sofridos, para uma vitória conquistada, dois empates e quatro derrotas. Para se ter uma ideia, quando o Peixe venceu sete seguidas nesta mesma edição do torneio, marcou 16 gols e sofreu três.

Sampaoli parece ter muitas dificuldades para encontrar soluções ofensivas que façam o seu time balançar as redes. Marinho, Uribe, Venuto, Derlis, Sasha, Soteldo...todos têm tido sua chance e não conseguem resolver esse problema.

O que o Santos precisa fazer? Reaprender a ganhar. Em sequência. Nem que sejam três vitórias seguidas por 0,5 a 0.

Além disso: aprender a não se desestabilizar no segundo tempo - principalmente quando sofre gol. Recuperar o aspecto psicológico é a única solução para o Peixe buscar algo neste Brasileirão. Pois se continuar nesta toada de “sentir” gols sofridos...até a vaga na Libertadores estará ameaçada.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 34K RANK 1
LEITURAS 113M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook