noscript image
GooglePlay Logo AppStore Logo Uptodown Logo

Neymar completa 10 anos de seleção

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 1,974

Pin Neymar completa uma década como protagonista da Seleção Brasileira. AFP
Neymar completa uma década como protagonista da Seleção Brasileira. AFP

Neymar completa 10 anos de seleção

BeSoccer por BeSoccer @besoccer_com - 0 1,974

Dribles, gols, títulos e muitas polêmicas envolvem a relação entre Neymar e a seleção brasileira, mas a Copa do Mundo será o fiel da balança.

Neymar é sem dúvida nenhuma o grande craque brasileiro de sua geração. Mas apesar da qualidade indiscutível, sua postura dentro e fora de campo acabou desgastando a relação do craque com parte da torcida, cenário bem diferente do que acontecia há dez anos atrás, em sua estreia pela seleção brasileira. 

Ainda com o número 11, Neymar vestiu a amarelinha pela primeira vez no time principal no dia 10 de agosto de 2010, com 18 anos de idade e com uma missão bem clara: devolver a alegria, o drible e a magia à seleção mais vitoriosa de todos os tempos. 

A necessidade era óbvia e desejada por todos, principalmente após a Copa do Mundo de 2010, que encerrou um ciclo que não traz boas memórias a nenhum brasileiro.

Após 2006 - quando o Brasil foi mal na Copa, mas ainda contava com Ronaldo, Ronaldinho, Kaká, Roberto Carlos e cia. -, a seleção passou por um período natural de renovação. Porém, com Dunga no comando, a equipe se afastou das origens do futebol alegre e de improviso, para se preocupar excessivamente com a marcação e com o jogo burocrático. Além disso, a falta de craques no time era evidente. 

Os destaques daquela seleção eram Luís Fabiano, Robinho e Felipe Melo e, mesmo assim, Dunga insistia em não convocar Neymar, que despontava em um Santos que encantava o país por seu futebol alegre e ofensivo. 

Então, após a derrota na Copa de 2010, com atuação desastrosa de Felipe Melo contra a Holanda, Mano Menezes assumiu o comando da seleção. E sua primeira mudança foi convocar Neymar para devolver o espírito de ousadia e alegria à seleção. É verdade que Mano nunca esteve perto de ser um treinador ofensivo, mas a necessidade de uma mudança era tão grande que isso não fez tanta diferença.

Neymar entrou em campo pela primeira contra os Estados Unidos e fez o que todos esperavam: driblou, atacou, fez gol e, mais do isso, devolveu o jeito moleque de jogar à seleção. Porém, depois de 10 anos, a relação entre o craque e os torcedores brasileiros foi mudando com o tempo.

Copa das Confederações, Olimpíadas e Copas do Mundo

Após a estreia, Neymar seguiu se destacando e encantado. Então, em 2013, ele foi o grande destaque da seleção que conquistou a Copa das Confederações, com direito a gol e muitos dribles contra a poderosa seleção da Espanha na final. Com a conquista, a esperança pela conquista da Copa de 2014 aumentou. 

O mundial chegou e Neymar seguiu jogando bem e marcando gols. Até que, nas quartas de final, sofreu uma entrada violenta nas costas e teve a lesão mais séria de sua carreira, ficando de fora do restante do mundial. Na semifinal, todos lembram o que aconteceu. 7 a 1 para a Alemanha e muitas perguntas sobre como aquela partida teria sido se Neymar estivesse em campo.

Então, em 2016, o Brasil teve uma espécie de chance de redenção. O único título que a seleção canarinho não havia conquistado era o das Olimpíadas. A competição sempre foi uma espécie de fantasma para os jogadores brasileiros, mas Neymar conseguiu por fim a isso, e justamente contra a Alemanha na final.

O craque fez um golaço de falta, que mandou a decisão para os pênaltis, e bateu a cobrança decisiva que deu o título ao Brasil. Novamente as atenções estavam voltadas para a Copa do Mundo de 2018.

No entanto, ao longo desses dois anos, Neymar se envolveu em algumas polêmicas, se transferiu ao PSG, começou a ganhar a alcunha de “bad boy” do futebol, perseguido pelos zagueiros adversários. Além disso, cabelos coloridos, muitas festas e simulações de falta passaram a irritar os torcedores, justamente no período em que o jogador mais se lesionou na carreira. 

E o ápice dessa relação mais problemática chegou justamente durante a Copa de 2018. O resultado foi a eliminação diante da Bélgica nas quartas de final e a esperança por mais um Copa do Mundo adiada novamente.

Artilharia, aproveitamento e novas esperanças

É verdade que a Copa do Mundo ainda não veio, mas apesar das polêmicas, o camisa 10 costuma se sentir muito à vontade vestindo a amarelinha.

Aos 28 anos, ele já é o quinto maior artilheiro da história da seleção, à frente de nomes como Romário, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo. Com 61 gols, ele está atrás apenas de Pelé (77), Ronaldo (67) e Zico (66). Ainda com muitos anos de carreira pela frente, ele tem grandes chances de se tornar o maior artilheiro da história da seleção.

Além disso, Neymar também não costuma perder com o Brasil. Em 35 jogos oficiais, foram apenas duas derrotas. No total, contando também os amistosos, já são 101 partidas, com 69 vitórias, 22 empates e dez derrotas. Até o momento, ele esteve presente em duas finais com o Brasil e ganhou as duas, marcando gols e sendo decisivo em ambas.

E em um momento em que o Brasil não vive uma abundância de grandes craques - como entre 1998 e 2006, por exemplo - Neymar segue sendo a grande esperança para o Brasil voltar a ganhar um mundial.

Grandes craques já tiveram essa missão e falharam. Zico, Sócrates e Falcão estiveram juntos em 82 e não conseguiram dar o título aos brasileiros. Neymar ainda terá mais algumas oportunidades para fazer isso acontecer.

BeSoccer

BeSoccer

noticias 55K RANK 1
LEITURAS 152M RANK 1
Mais notícias do autor

Follow BeSoccer on Facebook